Amigos de Mauá

 

A verdadeira dimensão do desbarrancamento de 8 de fevereiro de 2013 na RJ-163

A verdadeira dimensão dos desbarrancamentos de 8 de fevereiro de 2013 na RJ-163

Os doze deslizamentos ocorridos na RJ-163 entre 8 e 9 de fevereiro , em área pertencente ao Parque Estadual da Pedra Selada, reavivaram as preocupações de quem lamenta a desfiguração acelerada de nosso cenário natural, principal atrativo turístico e fundamental para as atividades econômicas na região. 

O maior desses deslizamentos, pouco acima do "Ponto Pergunta", bloqueou a estrada desde as 22h30 da sexta de Carnaval (08/02) até 05h15 do sábado, impedindo totalmente a passagem de centenas de carros que chegavam da Via Dutra para passar o período carnavalesco em nossa região.

Às 5 horas da manhã de sábado, aguardando a liberação da estrada (em meia pista), havia mais de 30 carros estacionados no Ponto Pergunta, outros cem veículos na bifurcação V.de Mauá / Pedra Selada, e mais cerca de 40 na Capelinha.... onde também pernoitou o ônibus da Cidade do Aço que saiu do Rio na sexta às 19h30, chegou na Capelinha às 23h00 e lá ficou encalhado até a manhã seguinte.

A foto não mostra, mas no maior despencamento de 08/02/2013, a terra e as pedras que chegaram até a pista desceram desde uma área bem alta e recuada, e será necessário fazer alguma obra de contenção para impedir novos deslizamentos no local. 

Vestígios de outros deslizamentos em fevereiro de 2013

O DER-RJ tem sido muito eficiente em retirar a terra e as pedras que despencam das encostas, para não atrapalhar o trânsito, naturalmente, e para não chocar os usuários com a perspectiva de acidentes mais sérios. É preciso andar com uma câmera no bolso para conseguir registrar todo o processo de desmoronamento das encostas da RJ-163, em pleno Parque Estadual da Pedra Selada.
Quem conhece a região teme o que poderá acontecer caso se repitam chuvas torrenciais como as ocorridas em 2005 - para não falar nas de 1966. Os recentes deslizamentos (22/02/2012) nas vias Anchieta e Imigrantes - rodovias bem mais estabilizadas que as nossas - deveriam motivar o DER a adotar medidas corretivas para reduzir os impactos das barberagens cometidas e das alterações improvisadas no projeto.

Nas duas fotos acima, a atual situação da encosta que deslizou prendendo o trânsito na primeira noite do Carnaval de 2013. Notem que o terreno sinistrado se estende para cima e para trás, avançando vários metros morro adentro. Na foto à esquerda, aquela linha branca lá no alto, lá longe, é uma calha de cimento (ampliada na foto à direita), que deveria escoar as águas até uma "escada dissipadora de energia", evitando que elas saturassem a encosta e provocassem seu desmoronamento. Não funcionou. E cuidado com aquelas pedras prestes a cairem...

A terra e as pedras que despencaram sobre a "estrada-parque" foram descartadas ribanceira abaixo, soterrando a vegetação em pleno Parque Estadual da Pedra Selada, plena APA da Mantiqueira, plena Mata Atlântica. Este procedimento agressivo ocorreu em vários outros pontos.

Acima e abaixo, quatro exemplos de escadas dissipadoras de energia mal posicionadas e incapazes de recolher as águas que descem das encostas, que acabam desmoronando.  Em breve, as próprias escadas desabarão, sendo substituídas por voçorocas cada vez mais profundas, estéreis e irreversíveis, como já acontece no trecho da RJ-163 pavimentado há mais tempo, entre a Serrinha e Penedo.

Notem abaixo que o local onde os operários estão tentando conter o deslizamento é a própria estrada, mais adiante, logo após a "curva da Ferradura", onde a pista já corre o risco de desabar sobre ela mesma.