Turismo sustentável: cobrar ou não cobrar, eis a questão...

 

 

Tudo indica que os dias de acesso gratuito à Cachoeira do Escorrega e a outras atrações turísticas naturais da região estão chegando ao fim.

Ao que parece, a única maneira de retardar ao máximo a degradação da natureza local é encarecendo a sua visitação.

 

Qual a sua opinião?

 

Cachoeira do Escorrega - Carnaval 2012

foto: Raquel Martins

Cachoeira do Escorrega - Em uma tarde de Sábado

foto: Blog Visconde de Mauá

 

 

Texto de Marcelo Brito
Vila de Maringá, 18 de Dezembro de 2012


A ASSOMAR (Associação de Moradores e Amigos das Vilas de Maringá, Maromba, Vales do Pavão e Cruzes) convocou para a noite do último dia 21 de novembro, uma reunião extraordinária de seus associados com o intuíto de discutir uma proposta, que foi encaminhada no dia seguinte, para a câmara técnica do Conselho Consultivo do Parque Nacional de Itatiaia, encarregada de fazer o Planejamento do Ordenamento da Área do Escorrega - Principal atração turística da região de Visconde de Mauá, e situada acima da vila da Maromba.

Ao contrário do testemunhado em outros relatos desse escriba, a reunião foi divulgada com certa antecedência através de diversas mídias diferentes: boca-a-boca, cartazes, Blog ASSOMAR, e até por e-mail (embora a sugestão de utilização de uma lista de e-mails, aparentemente, ainda não ter sido adotada – a mensagem que recebi veio endereçada diretamente para mim, com 5 dias de antecedencia).

A reunião ocorreu no Restaurante Coisas do Arco da Velha, na vila de Maringá, e acho que posso tranquilamente afirmar que foi a reunião mais concorrida que vi da ASSOMAR.  Levando em conta o entra-e-sai de pessoas que acabavam  se aborrecendo com a extensão da discussão, houve participação de mais de 50 moradores da região. Embora nem todos os presentes fossem associados, isso não diminuiu em nada o valor da reunião, pois a associação representa os moradores da região e não somente seus associados diretos.

Enfatizou-se a urgência em se definir essa questão, para que o parque possa concluir o seu plano de manejo, que inclusive deverá definir de vez, a infraestrutura que o parque colocará no local.

Os trabalhos foram iniciados com a leitura das atas das duas reuniões anteriores da câmara técnica, ocorridas em 19 de outubro e 05 de novembro (essa segunda ata ainda não havia sido aprovada em assembléia e, portanto não era oficial). Foi lido também o documento resultante de uma reunião entre os servidores do Parque Nacional do Itatiaia, em 29 de outubro, onde esses servidores expuseram suas opiniões acerca das ameaças e oportunidades das duas opções em discussão:


1. O ordenamento da área do Escorrega com Controle de Acesso e Cobrança de Entrada
2. O ordenamento da área do Escorrega sem Controle de Acesso nem Cobrança de Entrada

A leitura desses documentos levou pouco mais de 50 minutos do tempo da reunião. Como não havia recursos visuais para o auxílio dessa leitura, a apresentação tornou-se monótona e repetitiva para a platéia.  Por isso, volto a insistir na tese de que essa documentação poderia ter sido publicada com antecedência no Blog da ASSOMAR ou através de uma listagem de correio eletrônico. 

Nota do editor: Antes que a direção da ASSOMAR comece a reclamar de minha implicância com eles (ou alguma outra bobagem do tipo), esclareço  que  essas atas são documentos públicos, portanto não havia impedimentos para a divulgação de seu conteúdo, e que eu não só já estava de posse de cópia delas, como já as tinha lido, antes da reunião.


Leia um resumo das informações constantes das atas de reuniões anteriores da câmara técnica.   


Acompanhe o que ocorreu na reunião da ASSOMAR  do dia 21/11