Cortes abruptos na RJ-151 já começam a desbarrancar

Mal iniciada a temporada de chuvas na região, as encostas ao longo da RJ-151 entre a vila de Visconde de Mauá e a Ponte dos Cachorros já começam a deslizar.

Não sabemos o que terá acontecido nas encostas depois da Ponte, até Campo Alegre e mais além, igualmente alteradas brutalmente pelo DER (em obra que alegam ser de mera "conservação"), nem podemos prever o que acontecerá quando uma chuva mais torrencial - que não são raras em nossa região - ocorrer...

          Saiba mais sobre as intervenções do DER na RJ-151 acessando:

Obra na RJ-151 começam disfarçadas de "manutenção" (Súmula 015 - 21/09/2011) 
Impactos da RJ-151 evidenciam erro e má fé do IBAMA e do INEA-RJ (Súmula 015 - 21/09/2011)
Intervenção na RJ-151 não atende à Resolução que define "obras de conservação (Súmula 016 - 30/11/2011)
Juiz concedeu liminar que suspende a pavimentação da RJ-151 (Súmula 017 - 27/12/2011)

Acima, à esquerda, a pista da RJ-151 exageradamente alargada, para um padrão que vem exigindo intervenções dramática nas encostas e nos cursos d'água. Note-se, pela posição dos postes remanescentes, o quanto a estrada foi alargada, e nos dois lados. Para que tanta largura, transformando o que era uma bucólica estradinha rural (que até poderia ser asfaltada) em uma rodovia padrão, prevista para trânsito intenso e veloz. Além de propiciar acidentes e atropelamentos,  descaracteriza-se, degrada-se e desvaloriza-se a paisagem...
À direita, note-se a desproporção entre a largura da ponte (que ainda não foi refeita com a nova bitola da via) e a largura que o DER vem imprimindo agora na RJ-151, gerando uma alteração física, ambiental e cênica desastrosa.

Acima, uma sicessão de deslizamentos.Notem abaixo o tamanho das pedras despencadas, capazes de provocar acidentes fatais se caíssem sobre um veículo.

 

Como se vê, ainda há muita encosta para despencar...

Veja as fotos anteriores da obra em andamento na RJ-151, promovendo a descaracterização de toda uma região.

Novos deslizamentos logo após o dia de Natal

Notem que a estrada já foi desobstruída pelas máquinas do DER permanecem na região, mas não se sabe até quando.

Basta olhar a encosta para perceber que ainda há muita terra, pedra e vegetação para despencar nos próximos meses e anos.


Todos sabemos qual é o futuro dessas encostas na RJ-151: voçoroca ou obras caríssimas e horríveis de contenção.


As pessoas conscientes sentem seus corações aflitos diante dos desastres que já vão se banalizando na região. 

Basta uma pedra dessas cair em cima de alguém ou de um veículo para originar um tragédia ou pelo menos um trauma. Quem serão os responsáveis?

Até agora, só contamos com a sorte. Ainda não vimos nenhuma medida para minorar os riscos nessas encostas, causados pelos cortes temerários dos taludes, visando alargar a estrada além do recomendável. O DER se limita a ir ao local sinistrado e empurrar as pedras para o lado, para depois retirá-las, e torcer que não caia mais nenhuma, pelo menos não em cima de alguém...