Um Retrospecto da ASSOMAR Segundo a Percepção de um de seus Colaboradores - Parte IV

 

Texto de Marcelo Brito      

 

Eleição, Caderno de Encaminhamentos e Novas Adesões (Mais Infiltrações?)

 

 

Além das situações já citadas em outros textos, ainda havia mais um “pequeno problema” a ser resolvido. Estávamos às vésperas de elegermos uma nova diretoria na ASSOMAR e precisávamos discutir o futuro da associação. 

 

Eu e o Cláudio Lopes começamos a discutir esse assunto entre nós, bem no meio da crise sobre o projeto da Maromba.

 

Por uma restrição no estatuto da associação, eu não posso me candidatar a cargos na associação por não ter filiação eleitoral no município de Itatiaia. Meu título de eleitor é do município do Rio de Janeiro, e eu sempre relutei em transferi-lo para cá. Sabia que, se o fizesse, surgiriam mais comentários ainda a respeito do meu envolvimento nos assuntos da comunidade.

 

Um dia, almoçando com o Cláudio, ele me propôs que transferisse o meu título para cá para formarmos uma chapa. Respondi que, por motivos pessoais, não achava que devesse fazer isso, mas me comprometi a continuar ajudando na associação da maneira que pudesse. Hoje, ao olhar para trás, arrependo-me de não ter aceitado a proposta dele.

 

Exatamente duas semanas depois, em novo encontro, ele desabafou que não estava mais agüentando a situação de ser pressionado e cobrado por todos os lados. Disse também, que toda aquela situação já estaria afetando o seu comércio. Mostrou-se bastante irritado e desgastado com os problemas e disse que iria se afastar da direção da associação. Afirmou que continuaria ajudando, mas que não queria mais o compromisso.

 

Naquele momento, não vi como tentar mudar a opinião dele. Como sequer tentar, se poucos dias antes eu mesmo não me dispus a formar uma chapa com ele? Fiquei na esperança, de que, com o passar dos dias, ele esfriasse a cabeça e ficasse mais flexível em sua decisão.

 

Espero que ele não se aborreça com o que vou revelar aqui, porque acho que ninguém mais percebeu o ocorrido, mas ele reconfigurou o Blog ASSOMAR e removeu o nome, por extenso, da associação. O blog agora é um “Informativo da Região de Visconde de Mauá”. O título “BLOG ASSOMAR” não pôde ser modificado por uma restrição técnica do Google que não permitia essa mudança.

 

Ele fez isso justamente por ter resolvido se afastar da direção da ASSOMAR. O blog continuaria sendo escrito por ele, mas de maneira independente da ASSOMAR.

 

                                           

Apesar da mudança no cabeçalho do blog, não foi possível mudar seu nome. Capa do Caderno de Encaminhamentos apoiado pela prefeitura e enviado para o governo do estado do RJ

 

 

O próprio blog parecia passar por uma crise de identidade, da qual ainda não saiu até hoje: Afinal, as opiniões transcritas lá são da ASSOMAR, ou do Cláudio Lopes? Muitas vezes surgem comentários nos tópicos abertos lá, que mostram que as pessoas que acompanham o blog também não sabem ao certo. A imagem da ASSOMAR ficou muito embaralhada com a passoa Cláudio Lopes.

 

Isso ocorre também no Facebook, aonde as opiniões e comentários pessoais dele são contestados como se fossem da associação. Para mim, como espectador, chega a ser divertida a confusão que fazem, mas também sou testemunha do desgaste pessoal que ele passa por conta disso. Ele vive se retirando de grupos de discussão e deixando de postar notícias lá, justamente por esse motivo. É uma situação muito injusta, na qual ele perde a sua individualidade como pessoa.

 

Voltando a eleição, a data estava chegando e ele continuava decidido a se afastar.

 

Certo dia, fomos procurados por uma comerciante local, que afirmava estar muito preocupada, especificamente com o que seria uma guerra de preços que estaria ocorrendo entre os restaurantes da vila. Ela, como fornecedora de produtos para os restaurantes, demonstrava preocupação com a queda na qualidade dos produtos e serviços oferecidos pelos restaurantes ocasionados pela concorrência de preços baixos.

 

Ela veio conversar comigo e eu afirmei, especificamente, que era da opinião de que os comerciantes deveriam formar uma associação independente e representativa deles no município de Itatiaia. Essa solução, apesar de ser a ideal, é demorada e ela queria promover uma discussão, o mais rapidamente possível.

 

O Cláudio Lopes foi chamado para se juntar à discussão e acabamos disponibilizando a ASSOMAR para ajudá-la a fazer uma reunião entre esses comerciantes. Produzimos um modelo de panfleto de convocação de reunião, com o apoio da ASSOMAR, e explicamos que a associação, por ser de moradores, não teria como ajudar mais, a menos que eles se registrassem temporariamente como moradores e, a gente estudasse o estatuto para verificar se seria possível fazer alguma alteração que nos permitisse ter essa dupla função.

 

Nós, na realidade, não tínhamos vontade de fazer essa mudança, pois isso faria de nós, exatamente o que reclamamos da MAUATUR (que é uma representação comercial que tenta se fazer passar por representativa de moradores). Mas, ficamos de estudar a situação. Hoje, posso afirmar que o artigo 5 de nosso estatuto é bem claro e, específico, em não permitir essa possibilidade.

 

Coincidentemente, a reunião desses comerciantes foi agendada para o mesmo dia e horário da terceira, e decisiva, reunião sobre o projeto de urbanização da vila da Maromba. Avisamos que, se fosse possível, tentaríamos retornar de lá para acompanhar o final da reunião deles; mas que a nossa prioridade, e obrigação, eram com a reunião da Maromba.

 

Voltamos da reunião da Maromba, com uma grande sensação de alívio por termos encerrado a questão. Ao entrarmos na Travessa do Visconde, encontramos com o pessoal da reunião dos comerciantes saindo do restaurante aonde haviam se encontrado.

 

Eu conversei com um grupo deles e o Cláudio conversou com outro. No grupo que falou com o Cláudio estava o Julio Cesar da cerveja Serra Gelada. Mais tarde, quando eu e o Cláudio nos juntamos de novo para fazer um lanche de final de noite, comparamos as informações que levantamos.

 

Em suma, os comerciantes resolveram que desejavam se filiar a ASSOMAR, como moradores, enquanto uma situação definitiva seria estudada para o seu caso. Eles propuseram compor uma chapa de diretoria encabeçada pelo Cláudio Lopes, tendo como vice o Júlio César.

 

Já naquela noite, o Júlio me ignorou pela primeira vez. O Cláudio também notou o ocorrido, mas imaginamos que podia ser “o jeito” dele, uma vez que nunca havíamos sido oficialmente apresentados, um ao outro.

 

Daniel de Brito na apresentação do projeto alternativo de urbanização da vila de Maromba

Um membro da MAUATUR já entrou, mas será que haviam outros tentando enfiltrar-se na ASSOMAR?

 

Com a resolução do caso da Maromba, passei os dias seguintes me dedicando exclusivamente à fabricação do Caderno de Encaminhamentos. Eu e o Cláudio mantivemos contato telefônico, mas na maior parte do tempo só discutíamos a documentação, e como apresentá-la ao governo municipal.

 

Quando terminamos o documento, ele foi apresentado impresso e encadernado para o secretário de planejamento Rui Saldanha, que ficou de entregá-lo ao prefeito Luis Carlos Ypê, para que o levassem ao Palácio Guanabara.

 

O Cláudio me disse que estava pensando em aceitar a proposta de encabeçar a chapa de eleição, e que estava mantendo discussões com o Júlio Cesar, trocando idéias. De minha parte, fui tratar de converter o Caderno de Encaminhamentos para um formato que pudesse ser publicado na Internet, de modo que pudesse ser divulgado.

 

Nas poucas vezes em que calhava de encontrar com o Júlio Cesar na loja do Cláudio continuava a sentir, uma certa “hostilidade desrespeitosa” por parte dele, que as vezes sequer me cumprimentava.

 

Voltei a tocar no assunto com o Cláudio e ele me disse que trabalharia para acertar as coisas.

 

Nesse meio tempo, recebemos boas notícias da prefeitura. O prefeito Luis Carlos Ypê e o secretário Rui Saldanha encontraram-se com o vice-governador Luis Fernando “Pezão”. Fomos informados de que a reação do Pezão havia sido positiva, tendo inclusive solicitado cópia de fotos que constavam da documentação (as fotos dos caminhões grandes que atravessam a vila de Maringá e a foto da multidão de visitantes espremidos na cachoeira do Escorrega  durante o Carnaval de 2012).

 

O Pezão solicitou que o secretário Rui Saldanha procurasse o Dr. Henrique Ribeiro, presidente do DER-RJ. Se o Dr. Henrique concordasse com a solicitação de bloquetes na estrada, o governo concordaria em fazer a pavimentação com os bloquetes. Nos outros itens, ele solicitou que fosse agendada uma reunião entre ASSOMAR, prefeitura e o governo do estado representado pelo Sr. Vicente Loureiro, aqui em Maringá.

 

A eleição na ASSOMAR transcorreu em 29 de março (quinta-feira)

 

A reunião com representantes do estado foi marcada para o dia 03 de abril (terça-feira), quando a ASSOMAR já estaria com uma nova diretoria.

 

 

 

<- Parte III -  Como se deu a infiltração da MAUATUR na ASSOMAR                             Parte V - Entrega do Caderno e reviravoltas na ASSOMAR  ->